12
dez
2014
28

HALUCH RESPONDE 5

BLAST & CRUISE E FERTILIDADE, HIGH PROTEIN E RESPOSTA À INSULINA, MELHOR HORÁRIO PARA OS CARBOIDRATOS, ESTIMULANDO HORMÔNIOS NATURALMENTE, TREINOS FULL BODY, MANUTENÇÃO DOS GANHOS PÓS-CICLO, SUPLEMENTAÇÃO DE CARBOIDRATOS NA DIETA, IMPORTÂNCIA DO CARDIO EM OFF E CUTTING, O QUE É ABUSO DE HORMÔNIOS, ESCOLHA DO MÉDICO PARA ACOMPANHAR NOS CICLOS

Aí galera, quem puder curtir e comentar agradeço,pq isso me motiva sempre a continuar com o projeto, e tb fico mais famoso, o que aumenta as minhas chances de ficar rico, trabalhar menos, e estudar e escrever mais. Se não tiver uns 200 curtir eu paro essa porra. Obrigado!

1) Caio Russo: dudu,blast and cruise seria um caminho sem volta?
se por algum acaso tiver que suspender o uso de aes dps de um longo periodo on fire teria como recuperar o eixo e fertilidade?

“Vcs sempre perguntam isso,lol. Eu já mostrei em uma compilação de artigos que em geral usuários de longo prazo de esteroides recuperaram a fertilidade após suspenderem o uso, mas isso não necessariamente é uma garantia. Eu apostaria que sim, mas vai que não, pelo menos vcs adotam uma criança . Tá no meu site:
‘Recuperação do eixo HPT e da FERTILIDADE após uso prolongado de ESTEROIDES e TPC com HCG (DUDU)'”

2) Nildoquem DaSilva: Dudu, Superdosar proteína com o intuito de reduzir o carboidrato pra melhorar a resposta insulemica é viável ?( mantendo as mesmas calórias )

“Não acho a melhor alternativa, ainda mais em Bulk, que precisa menos proteína na dieta, já que o excesso será oxidado, e se baixar o carbo dificilmente terá ganhos. Em cutting vc pode aumentar proteínas até ~3g/kg, se o BF tiver baixo e o carboidrato bem restrito. Mas no geral o melhor caminho é mais pelo aumento das gorduras quando se trabalha em low carb. ”

3) Carlos Mattos: Em dietas low carb, é mais vantajoso concentrar os carbos nas refeições pré e pós treino, ou dividi-los ao longo do dia todo?

“Eu avaliaria isso de acordo com a resposta individual, porque prioridade sempre será ter carboidratos pré e pós-treino, e não necessariamente distribuir ao longo do dia, mas aí depende de como a pessoa se sente. Se o carbo não está tão baixo não precisa ter esse capricho, mas de qualquer forma maior quantidade de carbo deve ser pré e pós treino.”

4) Paulo Guilherme Maier Dittrich: Quais, na sua opinião, são os top 5 métodos para estimular a produção natural de hormônios anabólicos sem o uso de ae’s?

“Treinar bem, intensidade maior, maior liberação de GH; testosterona é facilmente estimulada tanto com exercícios compostos, alta intensidade, volume moderado a alto, intervalos de descanso menores que ~1minuto. A dieta tem que estar completa, incluindo boas fontes de gorduras (gemas, carne,peixes ou suplemento de ômega 3), verificar principalmente níveis plasmáticos de 25-hidroxivitamina D (25(OH)D), colesterol, zinco. Claro, ter um descanso adequado é fundamental, e isso é muito menosprezado. Avaliar níveis de testosterona total, livre, estradiol, prolactina e SHBG, IGF-1, cortisol, CPK, insulina, TSH, T4 livre, já dá uma noção de como estão as coisas, se está tudo bem equilibrado, já que níveis elevados de testosterona ou IGF-1 não garantem necessariamente uma maior resposta aos hormônios (difícil um médico que entenda bem disso infelizmente). Sobre sensibilidade à insulina já falei em outros posts. Não adianta se entupir de balonie fitoterápico sem ter um motivo pra isso (como um quadro de pós-ciclo, ou alguém com idade mais avançada, um obeso com desequilíbrio hormonal). Pessoas saudáveis que treinam podem obter todos os benefícios do treinamento e da alimentação.”

5) Gonçalo Rodrigues: o que acha dos treinos full body/força para naturais?

“Não gosto, acho muito mais eficaz separar grupos musculares, até porque facilita a concentração no que vc quer fazer com seu físico. Sua atenção é dividida a cada dia para um determinado grupo muscular, facilita a visualização para melhorar pontos fracos e atingir um equilíbrio na construção do físico. Não deixa de ser válido, mas particularmente não vejo muita vantagem no contexto de aperfeiçoamento do físico no bodybuilding atual, embora pode ser útil em uma fase que vc deseje reduzer volume de treinamento, descansar mais. ”

6) Diego Reis: Qual melhor forma de conciliação de ganhos pós ciclo? Low doses até um próximo Blast?

“Se vc faz um blast muito agressivo em doses, e cair muito as doses no cruise, será difícil manter parte dos ganhos. Vc sempre deve trabalhar sem pressa, sem oscilar muito as doses, isso impede de regredir e ter colaterais agressivos, mantém uma consistência melhor de ganhos ao longo do tempo, isso falando de um nível mais alto de competição. Até porque trabalhando assim difícil manter taxas em valores aceitáveis, então para quem quer algo temporário pode usar doses mais altas no blast e baixar bem no cruise, sabendo que o shape vai regredir. Atletas experientes tb podem dar intervalos para desintoxicar o organismo após o contest.”

7) Rafael Vale: Dudu, se a janela anabólica pode durar até 24hs, há alguma necessidade de malto ou dextrose no pós treino a nao ser repor o glicogênio muscular? Muitos recomendam pelo pico de insulina, alguns são contra justamente pelo alto índice glicêmico e falam pra usar waxy maize para repor o glicogênio com rápida absorçao, porém ele não dá pico de insulina no pós. …claro q tudo depende da dieta, mas qual sua opinião sobre malto, dextrose e waxy maize em bulking e cutting no pós treino? todos repõe o glicogênio, mas se a janela anabólica pode durar até 24hs, acha válido dar pico de insulina com malto e dextrose no pós ou desnecessário?e qto a waxy maize, vale a pena usar no pós pra repor o glicogênio de forma rápida ou seria jogar dinheiro fora?

“Suplementar carboidratos visando melhora estética do físico em geral tem pouca utilidade e baixo custo-benefício, principalmente em uma dieta visando queima de gordura. Afinal, uma consideração importante em uma dieta visando perda de peso é o controle da saciedade, e carboidratos de absorção rápida com alto índice glicêmico oferecem uma clara desvantagem nesse aspecto. Você pode argumentar que é necessário uso de carboidratos de alto IG no shake pós-treino para melhor aproveitamento da janela metabólica com altos níveis de insulina. Primeiro que essa janela metabólica pode dura várias horas após o exercício resistido e seu melhor aproveitamento é controverso; segundo que estudos recentes mostram que os níveis de insulina provocados pelos aminoácidos do shake pós-treino já serão suficientes para otimização da síntese proteica. Isso não significa que carboidratos são desnecessários pós-treino, muito pelo contrário, seu uso é altamente recomendável para ressíntese do glicogênio muscular e principalmente para atenuar a degradação de proteínas em uma dieta restritiva de carboidratos. Agora, claro que alguns indivíduos podem se beneficiar do uso de suplementos de carboidratos em pó após o exercício, principalmente aqueles com baixo percentual de gordura, com alta demanda energética e com maior sensibilidade à insulina. Tirando essas condições, se você tem um percentual de gordura alto, está em uma dieta restritiva, come poucos carboidratos, sente muita fome e/ou possui uma maior resistência periférica à insulina, é melhor optar por carboidratos complexos (batata doce, arroz e macarrão integral, mandioca, inhame), evitando uso de carboidratos de alto IG no shake pós-treino. Você pode usar eventualmente por alguma praticidade, mas não pensando em otimização da sua dieta. E nem falei do waxy maize, porque seu custo benefício é ridículo, e sua eficiência metabólica é muito pior que uma simples batata doce.”
Estudem pelo meu artigo:
SUPLEMENTAÇÃO DE CARBOIDRATOS E EFICIÊNCIA METABÓLICA (DUDU)

8) Jean Sousa: A importância do cardio no off e em cut e a intensidade dele

“No OFF varia a utilidade, para quem se mantém seco é desnecessário para essa finalidade, mas melhora capacidade aeróbica se vc é uma cara muito pesado e pouco ativo durante o dia. Para quem tem um percentual de gordura naturalmente alto e/ou é mais resistente à insulina, tb é importante para melhora do metabolismo. Em cutting cardio é sempre uma arma para atingir melhores condições do seu físico, combinando com uma estratégia inteligente de dieta. Defendo sempre intensidade moderada-alta (~>75% da FCmax, ~>65%VO2max).”

9) Fausto Luiz Alves: Dudu, vejo você falar bastante sobre a questão de abuso nas dosagens buscando ganhos expressivos, demonstrando que o indivíduo tem uma má resposta pelos receptores em relação aos esteroides anabolizantes. Mas como você classificaria que o indivíduo é um “abuser” ??? Um usuário leva-se em conta seu peso muscular, ter maior peso mais hormônios para manter tal porte ??? Se puder exemplificar em número, abraços !!!!

“sim, maior muscularidade, experiência, tempo de treino, percentual de gordura. Difícil falar em números, porque isso gera muita especulação de quem não entende, mas se vc hormoniza isso tem que estar visível no shape, então ser chamado de bombado não é ofensa, e sim reconhecimento, embora em terra de frango qualquer 40 de braço já é considerado como monstro. Mas digo que com ~1000mg de esteroides na semana vc deveria ter capacidade de ter um físico de nível competitivo local, se não tem algo errado ou está usando muito cedo as coisas”

10) Daniel Nascimento: Dúvida que surgiu numa conversa entre amigos… qual o melhor profissional para acompanhamento médico no caso de ciclos e reposição hormonal : Endócrino? Fisiologista?
Quais os exames padrão para acompanhar se está tudo ok no corpo

“Depende do conhecimento do médico, até um clínico geral pode manjar mais de uso de esteroides, ou mesmo uma pessoa comum que estuda isso (conheço vários amigos assim). A tendência natural é que tenham mais endocrinologistas capacitados para cuidar de usuários de esteroides do que fisiologistas. Os exames tem um exemplo de lista no meu site.”

abraços, dudu haluch

2 Comentários

Deixar um Comentário